25/01/2022 às 12h35min - Atualizada em 26/01/2022 às 00h00min

Confiança do empresário do comércio sobre 1,4% em janeiro, diz CNC

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, que apura o indicador, o resultado é o maior desde março de 2020, quando alcançou 128,4 pontos.

SALA DA NOTÍCIA Agência Brasil
https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2022-01/confianca-do-empresario-do-comercio-sobre-14-em-janeiro-diz-cnc

O otimismo dos comerciantes se manteve em alta pela segunda vez consecutiva. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) subiu 1,4% em janeiro e atingiu 121,1 pontos, em uma escala que vai de zero a 200.



Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que apura o indicador, o resultado é o maior desde março de 2020, quando alcançou 128,4 pontos.



Além disso, é melhor do que o observado no mesmo mês do ano passado. Em dezembro, o índice atingiu 105,8 pontos. Na comparação anual, o avanço é de 14,5%. Os números foram divulgados hoje (25) pela CNC.



A pesquisa mostrou ainda que todos os subíndices principais tiveram alta. O destaque ficou com as Intenções de Investimento que, com a variação mensal positiva de 1,8%, atingiu 110,6 pontos, o maior nível desde janeiro de 2014. Naquele momento, chegou a 114,6 pontos. Em relação ao mesmo mês em 2021, o indicador cresceu 16,5%.



Já o item Expectativas do Empresário do Comércio registrou a maior pontuação, atingindo 152,7 pontos, com a alta de 1,5% em relação a dezembro do ano anterior. Na comparação com janeiro do ano passado, o avanço é de 7,5%.



Outro dado positivo foi do indicador Condições Atuais do Empresário do Comércio, que voltou à zona de satisfação, após alcançar 100,1 pontos. Conforme a CNC, é o maior nível desde abril de 2020, quando chegou a 105,1 pontos. Além disso, teve o primeiro crescimento mensal ( 0,6%), depois de quatro quedas consecutivas. Na comparação anual, registrou o maior aumento (24,4%) entre os subíndices principais.



O presidente da CNC, José Roberto Tadros, disse que os resultados da pesquisa refletem o avanço da vacinação e a consequente relativa volta à normalidade, apesar da disseminação da variante Ômicron.



"Mesmo com a propagação da variante Ômicron, a vacina tem garantido um impacto menor da covid-19 na população, com sintomas mais leves e redução da taxa de mortalidade. Esse sentimento de segurança vem contribuindo para que os empresários já enxerguem uma pequena melhora nas condições econômicas, no curto prazo", observou Tadros.



Contratações



O otimismo dos empresários se estendeu também à geração de empregos. A pesquisa mostrou que nos itens que analisam as intenções de investimento dos comerciantes, a maior satisfação se referiu à Contratação de Funcionários (137,2 pontos).



O indicador foi também o maior crescimento mensal entre os que compõem esta categoria (5,0%). O Icec apontou ainda que 68,9% dos empresários demonstraram intenção de aumentar a contratação. Esse movimento, de acordo com a CNC, sugere que a recuperação do mercado de trabalho deve continuar.



Para a economista da CNC responsável pelo estudo, Catarina Carneiro da Silva, é importante observar em qual categoria a empresa está inserida, pois cada uma é impactada de forma diferente pelos movimentos econômicos:



“É possível observar que a maior parte dos empresários está mais confiante com relação à economia e especificamente sobre os desdobramentos em seu próprio negócio”.



Ainda segundo a CNC, a percepção de melhora na economia aparece tanto nas condições atuais do país, como nas expectativas para o futuro. O maior incremento relativo ao momento atual foi na percepção da economia, com avanço de 2,3%, após quatro meses de queda. Entre as empresas, 54,7% indicaram que a expectativa é de que a economia melhore ligeiramente no futuro.



Icec



De acordo com a CNC, o Icec é um indicador antecedente, pesquisado, exclusivamente, entre os tomadores de decisão das empresas do varejo. A intenção é verificar as tendências das ações do setor do ponto de vista do empresário.



“A amostra é composta por aproximadamente seis mil empresas situadas em todas as capitais do País, e os subíndices, apurados mensalmente, apresentam dispersões que variam de zero a duzentos pontos. O Icec avalia as condições atuais, as expectativas de curto prazo e as intenções de investimento dos empresários do comércio”, informou.




Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br/feed/
Notícias Relacionadas »